teoria da divisão

meio por meio

vontade de mãe 
- o mar - 
vontade de filho
- o costume -

boa noite


podia vir escrever a história do cinismo, de como o detesto e ainda mais as pessoas que fazem uso dele para se armarem em espertas, mas não tenho tempo, vou agora compensar-me pela resposta que tive de engolir e que ficou atravessada na garganta e porque continua a ser das coisas que mais me custa, obrigar a boca a fechar-se com a merecida resposta na ponta da língua só para manter a postura quando escolho calar-me tenho o direito de me sentir superior em relação à pequenez, certo? Vou procurar um gelado bem grande para empurrar isto para baixo, espero que ao chegar ao estômago não me pare a digestão

não deixar para amanhã o que a vida nos oferece hoje


conceber | projectar | planear |  recursos | idealizar | objectivar | idealizar |
preparar estratégias | construir | engendrar | esboçar |  especificar finalidades |

ou mais sinónimos houvesse para definir planos deste fim de semana, muito para além de amêndoas e ovos de Páscoa: planear o próximo, em cima da mesa estarão livros, mapas, fichas, folhas, réguas, escalimetros, escalas, projectos, sonhos, desejos e vontades e todos os caminhos vão dar a um só, a concretização. É isto porque se é hoje que a vida nos trás a oportunidade, adiar não faz sentido 

anda tudo com pressa para chegar exactamente a'onde?

há dias, em choque com o filho 15 anos de uma amiga que lhe rejeitou a chamada com um sms 'agora não posso estou a fazer o amor' o que não seria estranho se se tratasse apenas de uma criança, mas esta criança é o amigo com quem o meu filho brincava há meia dúzia de dias literalmente aos wwe, fazia castelos de areia, jogava berlinde e andava de bicicleta pelas ruas estreitas da aldeia. Em conversa com outra amiga sobre o tema sexualidade e o facto de os miúdos serem demasiado precoces nesse campo, respondeu que grande parte dos seus alunos 13 anos já perderam a virgindade e hoje tropecei noutra história 

O meu coração balança ente a vida e a morte, alguém sabe onde posso entregar a carta de despedimento da profissão de mãe?

cenas da minha cabeça (ou não)

há tempos uns parvos colegas do filho comeram malagueta e passaram mal até conseguirem aliviar o ardor, não convencido, no dia seguinte o filho esperto! repetiu a cena chegando ao pé de mim aflito e de lágrimas nos olhos Burro!

ontem o filho estava sentado a ver este programa que mostra o top 20 de brincadeiras parvas como se a imaginação não fosse suficiente e respectivas consequências, a parte que impressionou o filho consistia em pôr sal e gelo na mão e manter fechada o máximo tempo possível, isto afecta nervos e sensibilidade, o que não é só parvo, é muito parvo. O filho também é um bocado parvo nestas coisas achando-se sempre muito mais esperto... pelo sim, pelo não os sacos do gelo saíram do congelador e o sal veio comigo 

prova de vida

depois de pôr meio mundo à procura de uma peça, depois de parte do meu mundo a ter encontrado e colocado devidamente no lugar, o meu carro está neste momento a fazer a prova de vida, o teste que lhe garantirá um próximo ano lado a lado comigo, meu companheiro e velho amigo está velhinho mas firme e mais uma vez não me vai desiludir, espero!

PS se te portares bem, prometo que saimos juntos e te encho a barriga da tua comida preferida... e depois eu

bom dia

o problema de trazer de casa comida para o trabalho é a tentação, lembrar-me que há ali qualquer coisa que funciona como um iman para atrair a fome! 

O problema de trazer comida de casa é que são 11h18m e eu já almocei, e agora, o que faço na hora do almoço?

há gente que fica na história da história da gente

eu sabia que muito havia para além do seu discurso encantador, sabia que a vida me iria dar mais razões que justificassem a simpatia que senti por ela, comecei por gostar do seu discurso, depois tornou-se exemplo no espírito aventureiro e mais tarde uma força. esta senhora vive num mundo por onde eu também superficialmente passei e talvez um dos seus melhores talentos seja a rápida capacidade de resposta. Saí um grande vénia porque eu acredito que um dia terei o meu e saberei responder assim

domingos de sol (cá dentro e lá fora)




fim de semana produtivo que tudo tem a ver com estas aventurasa correr bem trás um leque de responsabilidades para os próximos tempos: sem praia, sem skates, sem grande ramboia mas a valer!
das ementas e uma vez que o tempo já deu luz verde para seguir em frente, está aberta a época oficial de jantaradas inteiramente biológicas com produtos da casa, os agradecimentos vão para a estufa do pai que garante fruta e legumes frescos e saborosos todo o ano

até agora a ver-te dormir


há dias em que me fazes acreditar que a perfeição existe e mora na nossa casa.
há dias em que me acalmas até os medos mais parvos

450


somos tantos!

é uma responsabilidade muito grande manter esta casa limpa e arrumada e é com enorme orgulho que recebo aqui tanta gente virtual e tantos outros que transpuseram o monitor e passaram a fazer parte do meu mundo real e aqueles que chegam por e-mail e os que comentam a quem poucas vezes retribuo. desculpem e os silenciosos. gente a quem escrevo porque me lê mas de quem esqueço para conseguir escrever porque é mais fácil pensar que o faço só para mim. É muito bom ter-vos aqui e já somos tantos. obrigada

querido, mudei-te o nome

há dias em que te olho de lado, noutros finjo não te ver mas estávas sempre aqui em cima, qual placa publicitária que começa a pesar-me nas costas, é um fardo que carrego e já não tenho idade para esforços físicos, nem quero, é assim uma espécie de marca que me põe um rótulo que não me pertence. É um tirar de conclusões precipitadas que na verdade nada têm a ver comigo, ainda que, sendo mãe solteira sou acima de tudo mãe feliz, sem rótulos, sem máscaras, sem sentimentos de pena porque coitadinha foi abandonada, nada disso, há males que trazem o bem e nos fazem realmente felizes e é isto que a vida tem feito comigo, impor-me felicidade, a que vivo e a que partilho aqui, lado a lado com um metro e meio e sessenta de gente, portanto, se não se importam, caros habitantes desta casa, continuamos na mesma, mas agora com um nome próprio, o meu. Continuamos na mesma, só muda a placa de identificação, boa?

(des)culpas

vivo com o anti vírus desactualizado ou talvez o meu corpo não tenha feito download da aplicação bloquear pessoas tal como o código multibanco bloqueia à terceira tentativa, também eu gostava de bloquear quem chega com códigos atitudes errados pega num copo de vidro e deixa-o cair, apanha os cacos, junta e cola-os, tipo puzzle. Ficou igual? mas não percebo nada disto, da capacidade que tenho para desvalorizar erros e maldades, aceitar, deitar para trás das costas, manter a esperança, ver o copo sempre cheio, reciclar defeitos e atitudes e voltar a pôr tudo no lugar como se nada fosse pega numa folha de papel, amarrota-a e volta a abri-la, alisa-a ou passa-a pelo ferro de engomar. Saíram os vincos?
 não matam, vão matando

d'os beijinhos de boa noite

na noite passada um amigo do filho dormiu cá, na verdade passou a noite porque dormir no verdadeiro sentido não se aplica, esta noite o filho foi dormir na casa do amigo, é um miúdo de Lisboa que vem com os pais passar fins de semana e férias, notam-se diferenças entre o menino-da-cidade e o menino-do-campo, quando não se entendem o menino-da-cidade chama idiota ao menino-do-campo, este ri-se e goza com a palavra, repetindo-a com voz trocista porque, por cá, ninguém é idiota, é só parvo ou estúpido em opção à agressão física para se resolverem.

mensagem do filho: disse-lhe que idiota é uma pessoa especialista em ideias e ele acreditou. estúpido!

e continuam amigos
a vida das crianças é tão perfeita

descobertas d'o filho



afinal há mais  vida para além de skate -descobriu- e  entusiasmado agora desenha... skates