»

licença para deseducar


aproximou-se do meu filho e fez-lhe saber a sua opinião sem que alguém a tenha solicitado, trazia o discurso composto e ali o deixou de uma empreitada, o miúdo ainda tentou dizer que não quer saber, que não está interessado mas a insistência e o dever do respeito obrigaram-no a ouvir até ao fim [e nestes casos meu filho, esquece tudo o que te ensinei, faz da educação aquilo que tiveres vontade]

as pessoas vendem-se por nada, alteram ideais por coisa nenhuma e mudam de opinião porque sim e porque não, a aparência é a única coisa que se preserva, os princípios que já não sendo os mesmos, mudam da mesmo forma que se reestrutura um roupeiro, ajustam-se, trocam-se, alinhavam-se, cortam-se e emendam-se e a admiração com que cresci pela mulher com idade para ser minha mãe, a paciência que tantas vezes lhe gabei, a coragem que lhe invejei e tantas vezes me serviu de exemplo, a jovialidade que queria para o futuro ficou ali, naquele instante em que ouvi do miúdo a história que ninguém tem o direito de lhe impingir. mais uma máscara deixada no caminho, a pessoa jovem, paciente e corajosa que conheci enquanto cresci foi vendida, leiloada ou trocada... por nada!

entretanto

havia boa vontade mas senhor blog não quer colaborar, falo da intenção de (re)abrir este espaço a comentários. obrigada aos que alertaram, já pedi ajuda a quem manda nisto, aguardam-se cenas dos próximos episódios. obrigada a quem passa por cá

bar aberto!

fechei este blog a comentários pelo excesso [exagero mesmo!] de publicidade que aqui chegava em forma de comentário. coisas sem jeito que me davam o trabalho de limpar e deitar ao lixo. a missão era que esses senhores percebessem que aqui ninguém precisa de cremes para aumento dos órgãos genitais, nem dinheiro a crédito, muito menos cartões ou vales de coisa nenhuma, se perceberam ou não, o tempo dirá, mas esta casa volta a abrir as portas [e as janelas] para quem queira participar 

* façam o favor de se servir [e sejam felizes]

feira das vaidades

|foto| talvez seja só um sonho no meio de tantos que me escapou agora para aqui